Vamos jogar StarCraft?

Hey boys!
Finalmente estou postando as fichas finais de StarCraft que adaptei do sistema Amethyst (sistema futurista usando as regras de D&D 4).
 itens.

Personagens em 6º nível, representando as unidades básicas do jogo: Soldado (Marine), Demolidor (Marauder), Médico (Medic), Morcego de Fogo (Firebat), Exterminador (Reaper) e, claro, Fantasma (Ghost). Já queria pedir que não reclamem das traduções, pois usei as oficiais do StarCraft II em português (sim, eu também teria traduzido "marine" como "fuzileiro", mesmo porque nem todos os marines são soldados, no jogo. O próprio Raynor é um marine elite, e ele é xerife). Inclusive, botei um "marine elite" no jogo, que é pra ser a classe com o papel "líder", já que todos os outros não se encaixaram. Claro que nem todas os personagens precisam ser usados. Fiz acima do necessário para os personagens poderem ter opções.

As armas foram "rebaixadas", em sua maioria, porque precisava de rifles Gauss, e todos do Amethyst eram muito fortes - equivalente a armas mágicas +4. Então reduzi para +2. E claro, alguns toques especiais em alguns itens.
Como pode-se perceber, são fichas de nível 6 sem possibilidade de level up. Fiz para uma aventura one-shot, porque só fazer isso aí já deu um trabalho da pega, imagina criar um sistema com vários níveis!!! =P

Ah sim, as fichas são em paisagem, frente e verso (ou 2 páginas) e coloridas, ok?

A ficha dos Zergs antagonistas, vou postar depois que eu mestrar a aventura (vai que algum jogador entra aqui e vê tudo antes da hora... hehehe).

Então baixem e me digam o que acharam:

StarCraft - personagens prontos.


Ano novo, material novo

Pois é... o blog não rendeu o que eu esperava (relatos de nossas campanhas/aventuras), mas não vou desistir dele.
Então, ao invés disso, vou postar coisas legais de RPG.
 
E pra começar, vou compartilhar com vocês minhas fichas para D&D 4ª edição. Só clicar nas imagens para download. A primeira é a ficha oficial da 4ª edição, mas completável e salvável. Você pode editá-la no seu leitor pdf e imprimir com letras bonitinhas, ao invés dos garranchos habituais: A segunda, é uma ficha feita por mim. Foi inspirada pela bela ficha do Shado, mas feita a meu próprio modo. Aliás, a modo do meu grupo, afinal, foi feita baseada nas necessidades que meu grupo viu em uma ficha. E em folha A4. Bem completinha:

Johana Lorren

Johana Lorren
Jogador: Bruno Gasparetto
Humana Feiticeira.
Idade: 15 anos;
Aparência: branca, olhos verdes, longos cabelos negros, 1,62m de altura e 54 quilos.
Oriunda de algum feudo de Prets.
Tendência: Caótica e Neutra

Background
Em um dos feudos de Prets nasceu Johana, filha do chefe da guarda e de uma linda camponesa que, assim como todas as mulheres do local, cuidava somente da casa, das vontades do marido e de sua filha. A família de Johana possuía boas condições financeiras e a mimava mais do que devia. Talvez por isso, tantos problemas ocorreram, no futuro.

Johana Loren sempre foi esperta, aprendendo rápido o que lhe ensinavam. Após aprender a ler pegou gosto por histórias e então encontrou livros sobre outras terras, lugares onde as mulheres eram "livres" dos costumes autoritários de Prets. Ficou com essas idéias em sua mente, mas só as comentou com sua mãe. A mãe de Johana era na verdade uma feiticeira mas, com medo de represálias, sempre se manteve oculta. Como Johana herdara o seu sangue seria muito provável que logo teria alguns poderes, por isso tratou de lhe ensinar a se controlar, para que sua situação não fosse descoberta.

Os anos passaram e Johana, agora com seus quinze anos, tornou-se uma linda e encantadora mulher, com uma pele bem clara, olhos verdes, cabelos negros, corpo bem definido e um rosto encantador, capaz de fazer homens brigarem por sua atenção. Infelizmente essa beleza despertou interesses no senhor feudal, que logo conseguiu um acordo com o pai de Johana, em troca da mão de sua filha. Essa notícia foi deveras mal recebida pela jovem, pois, além de odiar esse regime imposto às mulheres, estava enamorada por um lindo e gentil rapaz. O casamento foi marcado e os problemas começaram.

Um mês antes do casamento iniciaram os preparativos para a festa. Pena que, para Johana, só haviam lágrimas e planos de fugir com seu amor, para ser feliz. E assim planejaram a fuga, ela, seu amor e sua mãe. Uma semana antes do casamento colocaram o plano em prática mas, infelizmente, seu pai desconfiou e armou uma emboscada que culminou na morte de seu namorado. Sua mãe resolveu arriscar tudo e usar suas magias para garantir a fuga e felicidade de sua filha, mas pereceu logo após, morta por uma flecha de algum soldado desconhecido.

Johana agora vaga sozinha pelo mundo, sentindo um grande remorso pelas mortes das pessoas mais preciosas pra ela. Embora o remorso seja grande, sua vontade de se vingar é ainda maior. Nada lhe dará maior satisfação do que matar os culpados e de mudar o modo como Prets trata as pessoas, em principal as mulheres. Agora ela busca poder para realizar sua vingança e nessa nova cidade, perto de Raw, parece que terá a chance de iniciar seus planos.


Escrito por Bruno Gasparetto

O segundo dos backgrounds. ^^
A imagem foi a Gi quem achou pra mim, em alguma galeria do DeviantArt, mas não sei qual...

Breda Volks

Breda Volks 
Jogadora: Gisele Sena
Humana Swashbuckler.
Idade: 21 anos, aparenta 19;
Aparência: branca, olhos castanhos, cabelos loiros e curtos; 1,69 de altura e 61 quilos.
Oriunda da Tribo de Rudi, Raw.
Tendência: Neutra

Background
Breda nasceu numa vila tribal chamada Rudi, em meio aos resquícios do que já fora uma bela tradição. As guerras que fracionaram Raw trouxeram devastação e desfragmentação da tribo, antes localizada no que hoje é território vizinho. Os avós de Breda acompanharam a aniquilação de suas tradições, meios de subsistência e famílias, em meio às incessantes batalhas por território na divisa de Raw.  Um pequeno grupo de mulheres e crianças conseguiu fugir e sobreviver ao inverno rigoroso que se seguiu, dando continuidade à estirpe de Rudi.

Porém, as conseqüências daquela guerra refletiriam amargamente no futuro da tribo. A cultura do povo, a expectativa de vida e prosperidade, a forma de plantar, colher, comerciar e todo o orgulho dos Rudianos se extinguiu, e as novas gerações cresceram num clima de apatia, descaso e insegurança. Breda não recebeu – bem como seus irmãos e primos – qualquer instrução, cuidados ou ensinamentos que a fizessem ter amor ou simpatia por seu povo. Todos se preocupavam em sobreviver, em manter-se confortáveis e lucrar o máximo possível, a fim de não passar necessidades futuras. Viviam de caça, pequenas plantações, dinheiro e artefatos que trocavam com viajantes que passavam pela aldeia.

Breda desde cedo maravilhou-se com esses viajantes, vindos de todo tipo de lugar, carregando riquezas, objetos misteriosos, contando histórias de um mundo  desconhecido, mágico, cheio de perigos e glórias. Mesmo os simples transeuntes das vilas próximas tinham algo de diferente para ela.

Por isso mesmo, quando fez 12 anos – ainda uma menininha sonhadora de tranças - não se assustou demasiadamente quando seu tio Siorth começou a aliciá-la em troca de riquezas, para os viajantes menos escrupulosos. Acostumou seu corpo aos carinhos daqueles homens, chegando a nutrir por alguns até mesmo um amor platônico. Sonhava em partir, em sair pela curva da estrada e ver as montanhas distanciarem até sumirem, e ver o que vinha além.

Aprendeu a aproveitar-se dos homens que dormiam com ela, pedindo, eventualmente, mimos ou informações valiosas sobre o mundo, solicitando que lhe ensinassem a ler, escrever e defender-se. Muitos viajantes eram artistas, nômades, aventureiros, e perdiam 2 ou 3 dias na região ensinando-lhe pequenos truques, aprendia manhas, treinava “abordagens heróicas”, misturava movimentos artísticos com movimentos de batalha, enfim, ia tentando ganhar certa experiência, se exercitando em meio às casas velhas do vilarejo. Mas ainda era pouco.

Até que certa vez, quando Breda tinha 16 anos, chegou na estalagem uma mulher misteriosa, ardendo em febre e sentindo muitas dores. Era uma maga vinda de Crisalid, dizia chamar-se Hidjarim, e estava com uma doença bem conhecida na região, que possivelmente para ela constituía perigo mortal. Breda cuidou de Hidjarim por dois meses e, como agradecimento, a mulher a ensinou a ler e escrever – um acontecimento e tanto para o povo daquela tribo.

Breda sentia que era quase hora de partir. Faltava apenas aprender a defender-se e, a princípio, encontrar alguém em quem pudesse confiar para fazer-lhe companhia em sua primeira viagem. Apesar de impetuosa, tornara-se muito precavida, porque ouvia constantemente os avisos e histórias que seus amantes lhe contavam, sobre aventureiros mortos por todo tipo de perigo.

Seu tio já não podia controlá-la. Ela escolhia os homens de acordo com o conhecimento que pudessem lhe passar. Foi juntando pequenos montantes de dinheiro, ganhava presentes e até ouviu, vez ou outra, propostas de casamento de homens mais afoitos. Sua mãe não concordava com o rumo dos acontecimentos, mas como também não criara grandes expectativas para a filha, se abstinha de dar-lhe conselhos.

Aos 20 anos de idade, Breda partiu com um grupo de bardos que passou pela vila, deixando pra trás apenas seus longos cabelos, que simbolizavam uma vida para a qual ela não queria voltar.

Escrito por Gisele Sena Bertolazo


Imagem retirada da galeria da Wizards (Players Handbook II)


P.S.: (sim, eu sei que a moça da imagem não é loira.... mas foi a imagem mais legal de swashbuckler que consequi encontrar. E faz todo o estilo da Breda. ^^)

Estréia

Bem, bem, bem, jogadores e visitantes.

Criei este blog com objetivo de ajudar na intereção e repasse de informações sobre a campanha para que possam ficar atualizados com o que se passa.

Terei 3 tipos básicos de posts:

- Diário: com estes, pretendo contar como a história vem se desenrolando.
- Informações: estes servirão para passar informações gerais sobre o mundo.
- Backgrounds: e por último, estes terão como objetivo, mostrar um pouco dos personagens importantes da Campanha, sejam eles PCs ou NPCs.

Espero que apreciem.

Seu estimado DM, T.Russo

Diário de Campanha é um item fundamenal na vida de todo aventureiro, seja ele bardo, guerreiro ou mago.
Destinado a guardar diversas informações sobre os acontecimentos mais úteis ou inúteis ocorridos durante uma missão.
Com ele vocês terão todo o direito de acompanhar a vida e aventura dos personagens, desde os mais inteligentes e sábios até os orcs que acham que podem usar magia.
Obrigado e boa campanha!